Vida em superfície

 

Amados,

Estamos tão distante da profundidade dos sentimentos, que qualquer emoção nos assusta ou abala. O medo tem sido generalizado e não assumimos nossos reais sentimentos. Não nos ouvimos, não nos valorizamos.

Não estamos entrando em contato com a vida interior, não estamos fazendo o trabalho de introspecção, queremos acreditar em nossa racionalidade imediatista. E isso gera mais medo e paralisia. A razão tem gerado também ignorância e falsas crenças, por mais contraditório que possa parecer.

Essa “razão” tem sido capaz de nos desconectar de nossos sentimentos, e mais uma vez a fragmentação surge nos robotizando e limitando.

Em primeiro lugar devemos dedicar mais amor a nossa Presença, o Eu próprio, e depois aos outros e coisas, inclusive crenças.

A inquietação, perturbação, pressa, o desanimo, sempre estão atrelados a um sentimento consciente ou inconsciente de impossibilidade, inadequação ou menos valia.

Temos que assumir:

Eu Sou tudo que Eu Sou e posso confiar no meu potencial de Presença!

 

Já é hora de ouvirmos o chamado interno, quebrarmos os medos que nos paralisam e seguir o livre fluxo da vida, confiantes em nosso crescimento contínuo e ilimitado! Vamos aprender a sentir a plenitude de nossas almas!

Paz e luz!

 

Your browser is out of date. It has security vulnerabilities and may not display all features on this site and other sites.

Please update your browser using one of modern browsers (Google Chrome, Opera, Firefox, IE 10).

X