Sentir Culpa

O mecanismo de auto – sabotagem desenvolvido pelo ego humano é sem dúvida, uma das maiores armadilhas que podemos ver nos dramas atuais da vida psíquica.

Uma das principais armadilhas do ego para a auto – sabotagem é o sentimento de culpa diante de situações aparentemente irreversíveis.

O ser humano que quer receber atenção por carência neurótica tem a tendência inconsciente de se sentir culpado, por sofrimentos, que não provém de sua responsabilidade, mas que, se ele, então, assume a culpa, se sente mais importante e pode até desenvolver através disso, um sentimento de pertencimento à realidade. Sentimento esse, que o faz se perceber mais importante que os demais. Este comportamento gera egos mal educados e neuróticos.

Infelizmente, se por acaso o ser não foi amado pela mãe, e teve dificuldade de desenvolver um eixo ego-self satisfatório à formação de uma personalidade saudável, ocorremos numa exceção patológica em geral, pois para perdoar a limitação da mãe, o ser desenvolve o sentimento de culpa por existir, e consequentemente, um vitimismo e negativismo profundo diante da vida; já que o ser deseja amar a mãe, mesmo sendo rejeitado por ela. Essa compensação pode ser revertida em terapia, ou em desenvolvimento de nova configuração arquetípica na relação com a Grande Mãe.

Mas aquele que sente culpa até pela própria existência, por carência auto-agressiva, deve rever todo o seu processo de desenvolvimento de personalidade e recriar sua conexão com o outro e com o mundo.

Devemos nos reconectar com nossa responsabilidade de enfrentamento da vida e estabelecer uma dialética de transformação e reelaboração da realidade em autonomia. Assumir culpa às vezes é mais fácil que desapegar do passado, e é também mais fácil do que transformar a leitura da realidade em algo baseado no eu que assume quem ele é, com todas as suas potências e também limitações, ou seja, autenticidade.

No lugar da culpa, devemos colocar a aceitação e o aprendizado; devemos parar de reforçar a vítima e então assumir o papel do protagonista de nossas estórias.

Temos muito o que amadurecer no que diz respeito ao enfrentamento da vida, procurar a culpa e o medo são formas extremamente ineficazes de elaboração da realidade, pois não trazem à consciência, a força necessária de afirmação das perdas e erros, inerentes ao processo de aceitação das frustrações da vida, bem como superação.

Devemos ter tolerância com as limitações da realidade, sem tamanhas resistências que geram somente proteção de egos feridos; devemos a cada dia estabelecer metas que nos movimentam em direção ao crescimento, assumindo nossas feridas, e desenvolvendo nossos potenciais.

Independente da forma como chegamos ao mundo, ou independente da forma como estamos no mundo, temos sempre a oportunidade de mudar e crescer. A culpa, em geral, não nos leva a lugar algum.

O arquétipo cósmico da grande Mãe Universal ou Pai Divino pode ajudar nesta ponte de restauração da consciência e desenvolvimento de conforto existencial, para posterior enfrentamento da vida.

Que saibamos aproveitar as oportunidades de renascimento!

 

 

Your browser is out of date. It has security vulnerabilities and may not display all features on this site and other sites.

Please update your browser using one of modern browsers (Google Chrome, Opera, Firefox, IE 10).

X