O fenômeno da espiritualidade dentro da psicologia

É espantoso principalmente aqui na Europa, encontrar tanta
resistência no diálogo entre estes dois aspectos da expressão do
desenvolvimento humano, a espiritualidade e a psicologia.

Carl Jung foi excepcional neste casamento, pois como um grande
investigador médico, filósofo, pesquisador, psicólogo e
alquimista, conseguiu ver com clareza e liberdade toda a
multidimensionalidade do desenvolvimento da consciência ou
como ele coloca – individuação.

Somos seres multidimensionais, somos ego, inconsciente, alma,
sombra, persona, anima, animus, self, projeções, personagens,
arquétipos…

Aceitar com liberdade interior a multidimensionalidade deveria
ser uma premissa pelo menos para os terapeutas, pois o objeto
da tarefa do terapeuta também é criar condições ideais para que
o sujeito possa, com liberdade, se defrontar com tudo o que lhe
provoca dor, desarmonia, dúvida, contradições; enfim forças que
estando contra a natureza do sujeito geram fatos dolorosos em
sua existência; e são inúmeras as pessoas que sofrem muito
diante de “problemas espirituais”.

Assim como a sexualidade faz parte da natureza humana, a
espiritualidade também faz parte da natureza humana e deve
permear o equilíbrio do homem.

Espiritualizar-se ou ir em direção ao Self, essência pura, nada
mais é do que encontrar a si mesmo, libertando-se das
resistências que te afastam de ser cada vez mais si mesmo.

Vamos unir a espiritualidade com a psicologia, assim como fez
Jung e como fazem todos os atuais cientistas da física quântica
ou os antigos alquimistas e sábios.

A união é mais favorável que a divisão. Vamos dialogar.
A psicologia que abarca espiritualidade e ciência independente
do meio por onde esteja sendo manifestada deveria ser mais
aceita.

Crenças e preconceitos geram divisões que distanciam também
aqueles que sofrem por vivências mediúnicas, de tratamentos
sistemáticos analíticos.

Muitas vezes as religiões não ajudam
estas pessoas que estão em sofrimento devido a fenômenos
espirituais.

A psicologia analítica deveria já estar mais aberta
para ajudar estas pessoas, o acolhimento terapêutico sem
preconceito ainda deve evoluir muito.
Sejamos abertos ao dialogo.
Paz.

 

Your browser is out of date. It has security vulnerabilities and may not display all features on this site and other sites.

Please update your browser using one of modern browsers (Google Chrome, Opera, Firefox, IE 10).

X