Fitoterapia

Sobre

Palavras gregas: Phythón(planta) + Therapeía(terapia)

Planta medicinal é:

Toda a planta que contenha em um ou mais dos seus órgãos, substâncias que possam ser utilizadas com finalidade terapêutica.

Quais os benefícios de usar plantas em vez do excesso de químicos?

O uso de plantas simples ou em fórmulas é mais saudável desde que se saiba o que se está a fazer, pois o uso destas não é tão neutro quanto isso. Muitas pessoas dizem que o que é natural não faz mal. Isso não corresponde à verdade. Quando não se sabe o que se está fazer, a utilização de uma planta ou de uma fórmula podem ser desastrosas.

Evidentemente que o uso de plantas, desde que bem aplicadas, tem um efeito lento mas melhor que o do químico. Isto porque um químico, por muito bem que faça vai intoxicar o organismo e obrigá-lo a reagir com mais violência à presença de algo estranho que ele quer rejeitar. O mesmo também acontece com as plantas, podendo acontecer crises curativas enquanto se toma uma fórmula ou planta.

No entanto, esta é passageira e o corpo resiste melhor porque os constituintes das plantas são compostos químicos em menor quantidade.

O organismo consegue-se limpar mais rapidamente, porque os seus efeitos são dirigidos simplesmente para a doença.

A fitoterapia tem as suas raízes na tradição – numa vasta herança de conhecimento empírico utilizado e difundido pelas populações ao longo de várias gerações.

A história do uso de plantas medicinais tem mostrado que estas fazem parte da evolução humana e foram os primeiros recursos terapêuticos utilizados pelos povos. Nas referências históricas sobre plantas medicinais, podemos verificar que existem relatos do seu uso em praticamente todas as antigas civilizações. Uma das primeiras referências escritas sobre o uso de plantas como remédio é encontrada na obra chinesa Pen Ts’ao (“A Grande Fitoterapia”), de Shen Nung, que remonta a 2800 a.C.

Já em 2000 a.C., no Egipto, antigos papiros mostram que um grande número de médicos utilizava as plantas como remédio. No Papiro Ebers, que data de cerca de 1500 a.C., foram mencionadas cerca de 700 drogas diferentes, incluindo extractos de plantas, metais como chumbo e cobre, e venenos de animais de várias proveniências. Neste mesmo papiro, mencionam-se ainda fórmulas específicas para doenças conhecidas e, entre as espécies que aparecem na lista, estão incluídas algumas ainda hoje utilizadas por fitoterapeutas.

Hipócrates (460-377a.C.), conhecido como o “Pai da Medicina”, reuniu na sua obra “Corpus Hipocratium” os conhecimentos médicos do seu tempo, indicando para cada “enfermidade” o “remédio vegetal” e tratamento adequado.

Aumenta o número de células estaminais na medula óssea e no tecido linfático, promovendo o seu desenvolvimento em células imunológicas. Facilita a produção de imunoglobulinas e estimula os macrófagos.
(Echinaceaangustifolia) Imunoestimulante (aumenta as defesas não específicas), ativa a formação de leucócitos; bacteriostática, bloqueia a hialuronidase, pelo que impede que se estendam as infeções, favorecendo a cicatrização. Antipirético, anti-inflamatório, antiviral, aperitivo, digestivo, colerético, SIalagogo, diaforético.
Possui propriedade antioxidante e anti-inflamatória, além de ser rico em vitamina C e ácido gama linoleico, rico em vitaminas, vasoprotetor: aumenta a resistência capilar e reduz a permeabilidade, melhorando a microcirculação retiniana e a acuidade visual.
Apresenta ação espasmolítica, antitússica, antibacteriana e rubefaciente.
Apresenta uma marcada ação antisséptica, especialmente sobre as vias respiratórias, por via interna, por inalação ou por via rectal (a essência se elimina-se por via respiratória). Tem efeito mucolítico e expetorante, hipoglicemiante, febrífugo.
É analgésico, anti-inflamatório, antisséptico, antipirético e cicatrizante. Os taninos da casca são responsáveis pela ação adstringente (antidiarreico, hemostático local); a seiva tem efeito diurético e analgésico.
Apresenta ação estrogénica, antisséptica, eupéptica; os flavonoides e os ácidos fenólicos reforçam a ação antisséptica, e conferem-lhe atividade colerética e espasmolítica anticolinérgica.
Antibacteriana, antifúngica, antiviral, antioxidante, anticancerogénica, antitrombótica e imunomoduladora
Auxilia na prevenção de feridas e regeneração de tecidos, combate os radicais livres diminuindo o processo de envelhecimento das células, possui ação anti-inflamatória e antimicrobiana.
Apresenta ação colagoga (contrai a vesícula biliar, estimulando a evacuação da bílis do canal colédoco para o intestino, facilitando assim a digestão de alimentos gordurosos), ação hepatoprotetora, sedativa leve promovendo, ainda, o aumento da secreção gástrica. Estão também descritas a ação antiinflamatória e diurética atribuídas à planta.
Antioxidante, inibidor da adesão bacteriana às paredes dos sistema urinário. As antocianidinas apresentam ação antioxidante, protegendo os vasos sanguíneos, melhorando a permeabilidade capilar e a resistência vascular.
As OPC (Proantocianidinas oligoméricas), inibem a destruição do colagénio aumentando a resistência dos capilares e dos vasos sanguíneos. Apresenta ação venotónica, vasoprotectora e adstringente.
O seu ingrediente mais ativo são os saponósidos que lhe conferem ação anti-inflamatória e venotónica (elasticidade venosa). Os flavonoides têm efeito diurético, antiedematoso e protetor capilar.
A escina e o esculósido conferem-lhe propriedades venotónicas, aumentando a resistência capilar, propriedades anti-inflamatórias, controladora da permeabilidade dos vasos, exercendo importante ação anti-edematosa; em conjunto, é uma ação vitamínica P.
O alho é utilizado desde a antiguidade pelas suas características medicinais, propriedades antimicrobianas, pelos seus efeitos benéficos nos distúrbios e doenças do coração incluem pressão arterial elevada, doença cardíacacoronária,insuficiência cardíacacongestiva. O alho é muito rico em vitaminas (A, B2,B6 e C), aminoácidos, adenosina e sais minerais (ferro silício e iodo), enzimas e compostos biologicamenteativos como a alicina.

A alicina é o principal ingrediente ativo do alho, quando ingerida, a alicina , ocorre a libertação de enxofre, que é então noutros compostos sulfurados que atuam no sistema cardiovascular e imunitário. Alguns estudos indicam que a alicina é responsável pela inativação de bactérias e fungos e que os compostos de sulfurados contribuem para a regulação da tensão arterial e do colesterol, prevenido as doenças cardiovasculares.

 

Your browser is out of date. It has security vulnerabilities and may not display all features on this site and other sites.

Please update your browser using one of modern browsers (Google Chrome, Opera, Firefox, IE 10).

X